Um ano após a tragédia com helicóptero na zona norte, PM compra aeronave blindada

O prefixo PR-COE representa a esperança para 20 pilotos e 40 tripulantes do GAM (Grupamento Aero-Marítimo) de voltar a fazer operações em favelas. A última vez que helicópteros do GAM sobrevoaram uma região dominada por traficantes foi há exatamente um ano, quando o Fênix 03 foi atingido por vários tiros e pegou fogo, o que causou a morte de três policiais. Na ocasião, traficantes do Morro do São João invadiram o Morro dos Macacos, dominado por uma facção rival.

A inscrição, uma referência a Comando de Operações Especiais, está grafada na principal arma do GAM no combate ao crime, que já foi comprada e deve estar em uso a partir de fevereiro: o helicóptero blindado Bell Huey II, avaliado em R$ 12 milhões, praticamente o dobro do valor dos modelos Esquilo, usados pela PM. O sub-comandante da unidade, tenente-coronel Miguel Ramos, comemorou a chegada da aeronave, que será a Fênix 05.

– A negociação para a compra dessa aeronave acontece há um ano e meio, portanto, antes do incidente com a nossa equipe. No dia 16 de dezembro, nosso secretário de Segurança vai aos Estados Unidos receber oficialmente o helicóptero, que ainda está em fase de montagem. Depois, em janeiro, equipe de pilotos e mecânicos nossos vão até lá para fazer um treinamento de três semanas.

Confira também

* Helicópteros já foram alvejados seis vezes

* Trinta bandidos atiraram contra helicóptero

* Militar queimado ainda está de licença médica

* Oficial rebate críticas sobre farda e armamento

Diferentemente do helicóptero Esquilo, usado pela PM, que é feito em fibra e tem capacidade para dois pilotos e quatro tripulantes, o Huey II é uma aeronave de guerra, cuja blindagem suporta tiros de fuzil calibre 7.62 e até de metralhadoras ponto 30, além de ter capacidade para transportar até 13 pessoas: dois pilotos e 11 tripulantes. Em operações em favelas, no entanto, o helicóptero vai atuar com oito tripulantes.

– Com essa aeronave, poderemos fazer até operações à noite. Vamos ter equipamento de câmera com visão noturna e os pilotos também terão este tipo visão. A pintura, em cinza esverdeado, faz com que a aeronave fique praticamente invisível. Além disso, teremos uma série de equipamentos, como farol de busca e fast hope, uma corda em que o policial tem mais agilidade para descer do que o rapel, utilizando somente luvas especiais.

Helicóptero usado no Iraque e Afeganistão

O Huey II não é exatamente uma novidade para a polícia do Rio de Janeiro. A Polícia Civil já possui uma aeronave desse modelo, chamada de Caveirão Voador. Com isso, os agentes puderam fazer uma espécie de consultoria para os militares, apontando os pontos ruins do helicópteros e sugerindo melhorias. A parte da frente da aeronave vai receber um reforço na blindagem e as proteções laterais serão mais versáteis, de colocação e retirada mais fáceis.

Fabricado nos Estados Unidos e usado pela Força Aérea e pelo Departamento de Estado americanos, o Huey II também é usado pela Polícia de Nova Iorque, Força Aérea, Exército e polícia nacional da Colômbia, Força Aérea Filipina e do Iraque, além de sobrevoar os céus do Afeganistão, Paquistão, Cazaquistão, República Dominicana, Argentina, Peru, num total de 150 aeronaves.

Fonte: Portal – R7

Publicado na categoria: noticias | Com a tag , , , | Faça seu Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*