Portas abertas para o crime

Quadrilhas de outros Estados não encontram dificuldades para entrar no território cearense, praticar crimes e fugir

Divisas despoliciadas, porta escancarada para o crime. Esta é a atual situação dos limítrofes do Ceará com os Estados vizinhos, Pernambuco, Paraíba, Piauí e Rio Grande do Norte. Através das rodovias regulares (BRs e CEs) ou por meio de estradas vicinais, criminosos de outros Estados conseguem penetrar no Ceará e praticar ações delituosas de grande repercussão, como assaltos a bancos, sequestros, ataques a carros-fortes e tráfico de drogas e armas.

Prova disso foi o que aconteceu no mês passado e no começo de fevereiro. Três ataques atribuídos a quadrilhas interestaduais aconteceram no Interior cearense e a maioria dos bandidos conseguiu retornar aos seus Estados de origem, driblando as autoridades policiais locais. Deixaram para trás um rastro de sangue e violência.

Carro-forte

O primeiro caso ocorreu no dia 14 de janeiro, quando uma quadrilha fortemente armada, oriunda do Piauí, entrou no Ceará através da Serra da Ibiapaba, chegou à Zona Norte e assaltou um carro-forte na rodovia CE-362, que faz a ligação entre os Municípios de Uruoca e Martinópole (a 317Km de Fortaleza).

A ação foi ousada e violenta. O bando interceptou um blindado da empresa Corps, disparou tiros de fuzil e ameaçou explodir o veículo com dinamite. Um vigilante foi assassinado.

Os outros fugiram para escapar da morte. A quadrilha roubou nada menos que R$ 1,3 milhão e retornou ao Piauí, passando pela cidade de Cocal, na divisa dos dois Estados. Ninguém foi preso até agora.

O segundo caso aconteceu apenas dois dias depois, exatamente na noite de 18 de janeiro, quando outra quadrilha interestadual penetrou no território cearense, através da Chapada do Apodi, chegou ao Vale do Jaguaribe e, na cidade de Morada Nova (163Km da Capital), sequestrou um empresário do ramo de prestação de serviços de eletrificação. Desde então, a Polícia trabalha no sentido de identificar os criminosos. A principal suspeita é de que o refém tenha sido levado para o Rio Grande do Norte.

O terceiro e mais recente exemplo da ação de bandidos de outros Estados no Ceará ocorreu na manhã de terça-feira passada (1º), quando outra quadrilha, esta também oriunda do Rio Grande do Norte, atravessou a divisa dos dois Estados e chegou à cidade de Jaguaribara (a 230Km de Fortaleza).

O grupo estava preparado para atacar uma agência bancária, mas acabou se deparando com a PM. Houve troca de tiros. Um dos militares acabou morto. A quadrilha então fugiu em direção ao vizinho Município de Alto Santo. Mas, no caminho, encontrou outra patrulha da PM. Um segundo confronto aconteceu. No dia seguinte, um dos criminosos foi preso em Jaguaretama. O grupo era procedente do Rio Grande do Norte.

PLANO

Secretário quer ação de Inteligência nas operações

Preocupado com a situação das divisas do Ceará, o novo secretário da Segurança Pública do Estado, coronel Francisco PM José Bezerra, já afirmou que pretende atuar com os setores de Inteligência para coibir o avanço do crime organizado. “A SSPDS será um centro de irradiação de estratégias operacionais, eficientes e eficazes, que resultarão em relevantes conquistas e que, ao mesmo tempo, refletirão na efetiva e significativa redução de todos os índices de criminalidade”, disse Bezerra logo ao tomar posse no cargo.

As operações que a Polícia Militar realiza de forma pontual deverão tornar-se permanente nas áreas de divisa. Na Assembleia Legislativa ainda tramita o projeto de lei que altera e cria diversas unidades policiais, entre elas está a instalação de um Batalhão de Fronteiras, que seria o responsável por guarnecer permanentemente as divisas cearenses, com ocupações nas áreas que estiverem apresentando maiores problemas na Segurança Pública.

Um dos planos do novo secretário é montar bases do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) em áreas estratégicas no Interior do Estado.

DIFICULDADE

Rotas de fuga são centenas no Vale do Jaguaribe

A região do Vale do Jaguaribe tem sido a mais vulnerável nas ações criminosas praticadas nos últimos anos. Assaltos a bancos, ataques a caminhões e ônibus, crimes de pistolagem e tráfico de drogas são constantes. “Trabalhei naquela área.

Ali existem mais de três mil estradas vicinais, rotas por onde os criminosos seguem depois que agem. É uma área muito extensa e, realmente, difícil de se combater o crime”, afirmou, na semana passada, um oficial da Polícia Militar que já atuou no Vale do Jaguaribe.

Fuga

Segundo ele, prevalecendo-se do pleno conhecimento das rotas de fugas, os criminosos conseguem fugir através da Chapada do Apodi e entram em território potiguar.

Através de estradas vicinais existentes na zona rural dos Municípios cearenses de Ererê e Pereiro, os assaltantes e pistoleiros conseguem chegar às cidades de Encanto, Paus dos Ferros, Doutor Severiano e São Miguel, no Rio Grande do Norte.

Dos Municípios de Ipaumirim e Baixio, ainda no Ceará, a rota de fuga é em direção aos Municípios de Santa Helena e Bom Jesus, na Paraíba.

Revelação

Em recente depoimento à Polícia cearense, após ser preso, um bandido do Rio Grande do Norte revelou com detalhes como seu bando fez para organizar o ataque a um banco na região do Vale do Jaguaribe.

Com um carro roubado no Interior do Estado da Paraíba, os assaltantes entraram no Ceará sem encontrar qualquer tipo de barreira policial, fato que comprova como as divisas cearenses estão desguarnecidas, abertas para as quadrilhas.

DIFICULDADE

Rotas de fuga são centenas no Vale do Jaguaribe

A região do Vale do Jaguaribe tem sido a mais vulnerável nas ações criminosas praticadas nos últimos anos. Assaltos a bancos, ataques a caminhões e ônibus, crimes de pistolagem e tráfico de drogas são constantes. “Trabalhei naquela área.

Ali existem mais de três mil estradas vicinais, rotas por onde os criminosos seguem depois que agem. É uma área muito extensa e, realmente, difícil de se combater o crime”, afirmou, na semana passada, um oficial da Polícia Militar que já atuou no Vale do Jaguaribe.

Fuga

Segundo ele, prevalecendo-se do pleno conhecimento das rotas de fugas, os criminosos conseguem fugir através da Chapada do Apodi e entram em território potiguar.

Através de estradas vicinais existentes na zona rural dos Municípios cearenses de Ererê e Pereiro, os assaltantes e pistoleiros conseguem chegar às cidades de Encanto, Paus dos Ferros, Doutor Severiano e São Miguel, no Rio Grande do Norte.

Dos Municípios de Ipaumirim e Baixio, ainda no Ceará, a rota de fuga é em direção aos Municípios de Santa Helena e Bom Jesus, na Paraíba.

Revelação

Em recente depoimento à Polícia cearense, após ser preso, um bandido do Rio Grande do Norte revelou com detalhes como seu bando fez para organizar o ataque a um banco na região do Vale do Jaguaribe.

Com um carro roubado no Interior do Estado da Paraíba, os assaltantes entraram no Ceará sem encontrar qualquer tipo de barreira policial, fato que comprova como as divisas cearenses estão desguarnecidas, abertas para as quadrilhas.

FERNANDO RIBEIRO
EDITOR DE POLÍCIA

Fonte: Diario do Nordeste

Publicado na categoria: noticias | Com a tag , , , | Faça seu Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*